Nascemos Livres: Jogos seguros para a cidade, brincadeiras com água para crianças

Brincadeiras na água Jogos divertidos e seguros para crianças que moram na cidade Fazer respingos em riachos, nadar no mar ou apenas pular em poças nos dias de chuva são grandes diversões para as crianças. Mas uma verdade triste para os habitantes das cidades é que a poluição da água faz com que rios e até poças não sejam lugares seguros para se brincar. Então como você pode permitir um momento de diversão na água para seus pequenos sem riscos? Nós preparamos a série de posts Nascemos Livres para pais e filhos que vivem em grandes cidades e sentem que não há muito espaço para brincadeira. Estes artigos foram escritos pensando no desenvolvimento das crianças, e trazem muitas atividades seguras e acessíveis para todas as crianças, inclusive aquelas que não têm jardim em casa. Visite o nosso Guia de Atividades Infantis para encontrar mais ideias de atividades para fazer com o seu filho! Nós temos algumas sugestões de brincadeiras com água para que seu filho não deixe de aproveitar essa experiência só porque ele vive na cidade.

Brincadeiras com água divertidas e educativas

Brincadeiras na água são atrativas para qualquer criança. A água desperta a curiosidade, experimentação e imaginação das crianças. Elas também podem aprender sobre fundamentos básicos das ciências naturais como flutuação e afundamento, como a água corre, como ela pode ser contida e como  é capaz de acionar mecanismos simples. Mas é claro que, para que seu filho aproveite suas brincadeiras na água, ela precisa ser limpa. Certifique-se de que a água a ser usada para essas brincadeiras seja limpa e explique para o seu filho que essa água é para brincar e não para beber! E, lembre-se de sempre esvaziar garrafas e outros containers de água depois da brincadeira, pois não podemos dar chance para a dengue!

Criando cachoeiras e rios

Com o uso de objetos da casa você pode ajudar o seu filho a criar uma pequena cachoeira ou rio, mesmo em uma pequena área externa ou apartamento. Se você for fazer esta atividade dentro de casa utilize o banheiro ou a área de serviço. Se você pode fazer ao ar livre, use um canto do jardim por onde a água possa escorrer e se infilltrar na terra depois que a brincadeira estiver terminada. Você pode até aproveitar essa água para regar as plantas! Reúna os potes da casa, podem ser tupperwares, cumbucas e vasilhas, copos de plástico e até cuias. Agora encontre alguns “tubos”. Eles podem ser pedaços de canos de plástico, bambus ocos ou até pequenas garrafas pet com o fundo cortado. Esta peça será usada para levar a água de um pote até o outro. Desafie o seu filho a construir um curso de água, assim como um rio ou uma cachoeira. Se você mora em um apartamento faça uso da sacada, se houver, para esta brincadeira. Você pode usar a estrutura do para-peito para montar uma cachoeira vertical, utilizando barbantes para conectar as peças. Agora deixe o seu pequeno ter a liberdade de brincar com o seu rio. Incentive-o a pensar sobre a direção que a água correrá e fazer com que ele resolva estes desafios de engenharia para que a água chegue ao destino final.

Soluções para brincadeiras com água em pequenos espaços

Se a sua casa é muito pequena para criar cachoeiras, não se preocupe! Você ainda pode dar ao seu filho a oportunidade de fazer algumas brincadeiras com água. Use três ou quatro pequenos potes e encha-os de água. Então ajude o seu filho a adicionar corante alimentício à água. O que acontece quando o seu filho mistura as cores? O que acontece com o tom da cor se eles adicionam mais água? Será que eles conseguem criar um arco-íris de água alinhando diferentes potes com água colorida em uma sequência? Ajude os seus filhos a aprenderem sobre como a água funciona, perguntando a eles algumas questões enquanto brincam:

  • A água corre pra cima?
  • Quais objetos flutuam na água?
  • Quais objetos afundam na água?

Quais são as suas brincadeiras favoritas na água?

Os seus filhos gostam de brincar com água? Conte para a gente os jogos e brincadeiras favoritos dele aqui na seção de comentários abaixo. Para ver os outros artigos da série Nascemos Livres clique aqui!